quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Cultura Japonesa- Gueixa

Olá queridas (os) leitoras(os), hoje trago mais um post sobre culturas, e a de hoje sobre o Japão.

Gueixas


Gueixa (芸者?), Geiko (芸子?) ou Gueigi (芸妓?) são mulheres japonesas que estudam a tradição milenar da arte, dança e canto, e se caracterizam distintamente pelos trajes e maquiagem tradicionais. Contrariamente à opinião popular, as gueixas não são um equivalente oriental da prostituta; esse é um equívoco, originado no Ocidente, principalmente pela vestimenta das prostitutas tradicionais ter traços similares aos da cultura gueixa.

No Japão, a condição de gueixa é cultural, simbólica e repleta de status, delicadeza e tradição. Ao longo dos séculos, esse contexto foi desenvolvido pelo aperfeiçoamento da técnica dessas artes e pela estrutura rígida necessária para se tornar uma gueixa e permanecer como tal.

História

Nos estágios iniciais da história japonesa, existiam artistas do sexo feminino chamadas saburuko ("meninas que servem"), que eram em sua maioria meninas vagando cujas famílias haviam sido deslocadas nase lutas no fim do século VII. Algumas dessassaburukos vendiam serviços sexuais, enquanto outras com uma melhor educação ganhavam a vida entretendo uma alta classe da sociedade em encontros sociais. Após a corte imperial mudar a capital para Heian-kyō (Kyoto) em 794, no início do período Heian, as condições que formam a cultura japonesa da gueixa começaram a surgir, e depois se tornaram o lar uma elite obcecada pela beleza e mistério dessa cultura.

Na cultura japonesa, a mulher ideal era uma mãe modesta e gerente da casa. Para o prazer sexual e apego romântico, os homens procuravam por cortesãs. Assim, criaram-se "quarteirões do prazer" conhecidos como yūkaku (游廓, 游郭?) construídos no século XVI, que depois se tornaram bairros fora dos quais a prostituição seria ilegal. Neles as yujo ("mulheres para brincar") seriam classificadas e licenciadas. As yujo mais elevadas foram antecessoras da cultura das gueixas, chamadas Oiran, uma combinação de atriz e prostituta, originalmente se apresentando em etapas definidas. Elas realizavam danças eróticas entre outros, e esta nova arte foi apelidado kabuku, que significa "ser selvagem e ultrajante". As danças eram chamadas de Kabuki, e este foi o início de teatro kabuki.

Estes "quartos de prazer" rapidamente tornaram-se centros de entretenimento glamourosos, oferecendo mais do que sexo. As cortesãs altamente talentosas destes distritos entretinham seus clientes, dançando, cantando e tocando música. Gradualmente, todas elas tornaram-se especializadas na nova profissão, puramente de entretenimento, que surgia. Perto da virada do século XVIII que as primeiras artistas dos quartos de prazer, chamadas de gueixa, apareceram. As primeiras gueixas eram homens, entretendo clientes que esperavam para ver as cortesãs mais populares e talentosas ( oiran ).


Gueixas entretendo clientes na Era Taisho
As precursoras da gueixa do sexo feminino foram as adolescentes odoriko ("dançarinas"). Na década de 1680, elas eram populares artistas pagas nas casas particulares da alta classe samurai, apesar de muitas se transformarem em prostitutas no início do século XVIII. Aquelas que não eram mais adolescentes (e não poderiam mais praticar o estilo odoriko ) adotaram outros nomes, sendo um deles gueixa, se assemelhando aos artistas masculinos. A primeira mulher conhecida por ter chamado a si mesma de gueixa era uma prostituta de Fukagawa, em cerca de 1750. Ela era uma cantora qualificada e tocadora de shamisen chamada Kikuya, e que foi um sucesso imediato, tornando as gueixas mulheres extremamente populares na década de 1750 em Fukagawa. Como se tornou mais difundido ao longo dos anos de 1760 e 1770, muitas começaram a trabalhar apenas como artistas (em vez de prostitutas), muitas vezes nos mesmos estabelecimentos que gueixas do sexo masculino.

As gueixas que trabalharam dentro dos bairros de prazer eram essencialmente presas e proibidas de "vender sexo", a fim de proteger o negócio das Oiran - para isso, existiam cortesãs licenciadas para atender as necessidades sexuais dos homens. Por volta de 1800, ser uma gueixa foi considerada uma ocupação feminina. A evolução do estilo das gueixas era imitada por mulheres elegantes por toda a sociedade.

A Segunda Guerra Mundial trouxe um grande declínio nas artes das gueixas, pois em 1944, tudo no mundo das gueixas, incluindo casas de chá, bares, e casas de gueixas foram forçados a fechar, e todos os funcionários foram colocados para trabalhar nas fábricas ou outros lugares para trabalhar para esforço de guerra no Japão. O nome gueixa também perdeu algum status durante este tempo porque as prostitutas passaram a se referir como gueixas para militares americanos. Cerca de um ano depois, as casas foram autorizadas a reabrir. As poucas mulheres que voltaram para as áreas de gueixas decidiram rejeitar a influência ocidental e retomar as formas tradicionais de entretenimento e vida. A imagem da gueixa foi formada durante o passado feudal do Japão, e agora é a imagem que deve se manter para permanecer a cultura gueixa.

Maquiagem


A maquiagem da gueixa é sua grande característica marcante. Mas esta é usada de acordo com seu grau de experiência . É um processo demorado, e é aplicada antes de se vestir para evitar sujar o kimono.

Quando aprendiz, a gueixa usa a maquiagem de forma regular e mantém todo o rosto branco. Ela realmente só usa a maquiagem quando precisa dançar ou para fazer performance a algum cliente.

Quem aplica essa maquiagem na gueixa podem ser a sua onee-san (ou irmã mais velha) ou pela okaa-san (ou "mãe"), de sua casa de gueixas. Sua aplicação é feita com muito cuidado, pois, ao cometer um erro, o aprendiz que está a maquiar seria obrigado a limpar tudo e começar novamente . O tempo de duração dessa maquiagem pode ser de até duas horas .

A maiko usa um pó branco que cobre o rosto, pescoço e peito, com duas ou três áreas sem estar brancas (formando uma forma de W ou V, geralmente um tradicional forma de W) deixados na nuca, para acentuar uma área tradicionalmente erótica, e uma linha de pele nua em todo o couro cabeludo, o que cria a ilusão de uma máscara. Suas bochechas são acentuadas de pó rosa escuro, e os olhos são pintados de acordo com a idade (vermelho para as mais jovens e vai mudando de preto com a mistura de cores).

Como descrição deste processo, começa-se com a aplicação bintsuke-abura para o rosto e a região superior do peito, aplicando a maquiagem em toda esta área. Esta cera não só ajudará a aderir a pele, mas também irá impedir que a maquiagem caia em seu quimono, o que seria um erro muito ruim. Logo, irá misturar o pó branco com água para fazer a massa, que é o que dá o aspecto mais visual da sua maquiagem. Este pó foi feito originalmente com chumbo, que era venenoso para a pele e resultava em pontos amarelos nesta, mas hoje o pó é feito a partir de um pó cosmético moderno e é livre de chumbo, e muito mais seguro.





Pessoal espero que tenham gostado deste post, por hoje é só e até o próximo.